Cristo mereceu a graça de Deus e a salvação por nós.

Cristo, verdadeira e corretamente, disse ter merecido a graça de Deus e a salvação por nós.

I. Devemos dedicar um capítulo adicional à solução desta questão. Pois existem alguns homens, mais sutis do que ortodoxos, que, embora confessem que Cristo obteve a salvação por nós, ainda não podem suportar a palavra mérito, pela qual supõem que a graça de Deus seja obscurecida. Portanto, eles sustentam que Cristo é apenas o instrumento ou ministro, não, como é chamado por Pedro, Autor ou Líder e “Príncipe da vida”. [1] Concordo, de fato, se alguém se oporia a Cristo simplesmente e somente para o julgamento de Deus, não haveria espaço para mérito; porque é impossível encontrar no homem qualquer excelência que possa merecer o favor de Deus; ou melhor, como Agostinho observa verdadeiramente: “A ilustração mais brilhante de predestinação e graça é o próprio Salvador, o homem Cristo Jesus, que adquiriu esse caráter em sua natureza humana, sem nenhum mérito prévio de obras ou de fé. Deixe alguém me dizer como esse homem mereceu a honra de ser assumido em uma pessoa com a Palavra, que é coeterna com o Pai, e assim se tornar o único Filho de Deus. Assim, a fonte da graça aparece em nossa Cabeça, e dele difunde suas correntes por todos os seus membros, de acordo com suas respectivas capacidades. Todos, desde o início de sua fé, são feitos cristãos, pela mesma graça, pela qual este homem, desde o início de sua existência, foi feito o Cristo. ”Novamente, em outro tratado, Agostinho diz:“ Existe não é um exemplo mais ilustre de predestinação do que o próprio mediador. Pois aquele que fez da descendência de Davi esse homem justo, para que nunca fosse injusto, sem nenhum mérito prévio de sua vontade, converte pessoas injustas em justas, e faz delas membros dessa Cabeça ”, etc. Quando falamos do mérito de Cristo, portanto, não o consideramos como sua origem, mas ascendemos à ordenação de Deus, que é a primeira causa; porque foi de seu mero prazer que Deus o nomeou Mediador para obter salvação para nós. E, assim, trai a ignorância por opor o mérito de Cristo à misericórdia de Deus. Pois é uma máxima comum que, entre duas coisas, das quais uma seja bem-sucedida ou subordinada à outra, não haja oposição. Não há razão, portanto, por que a justificação dos homens não deva ser gratuita da mera misericórdia de Deus, e por que ao mesmo tempo o mérito de Cristo não deve intervir, o que é subserviente à misericórdia de Deus. Mas, para nossas obras, são direta e igualmente opostos o favor gratuito de Deus e a obediência de Cristo, cada um em seu respectivo lugar. Pois Cristo não poderia merecer nada, exceto pelo bom prazer de Deus, pelo qual ele havia sido predestinado para apaziguar a ira divina por meio de seu sacrifício, e abolir nossas transgressões por sua obediência. Para concluir, uma vez que o mérito de Cristo depende unicamente da graça de Deus, que designou esse método de salvação para nós, portanto, seu mérito e essa graça são de igual propriedade, opostos a todas as retidão dos homens.

II. Essa distinção é obtida em numerosas passagens das Escrituras. “Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça.” [2] Vemos que o amor de Deus ocupa o primeiro lugar, como causa suprema e original, e essa fé em Cristo segue como a segunda e próxima causa. Se objetar que Cristo é apenas a causa formal, isso diminui seu mérito mais do que as palavras agora citadas terão. Pois, se obtemos justiça por uma fé que depende dele, é nele que devemos buscar a causa de nossa salvação. Isso é evidente em muitas passagens. “Não que amássemos a Deus, mas que ele nos amou e enviou seu Filho para ser a propiciação por nossos pecados.” [3] Essas palavras demonstram claramente que, para remover todos os obstáculos no caminho de seu amor por nós, Deus designou um método de reconciliação em Cristo. E há muita coisa contida na palavra “propiciação”; pois Deus, de uma certa maneira inefável, ao mesmo tempo em que ele nos amou, ficou zangado conosco, até se reconciliar em Cristo. Isto está implícito nas seguintes passagens: “Ele é a propiciação pelos nossos pecados.” [4] Novamente: “Agradou ao Pai, tendo feito a paz através do sangue de sua cruz, por ele reconciliar todas as coisas consigo mesmo.” [5] Novamente: “Deus estava em Cristo, reconciliando consigo o mundo, sem lhes imputar suas ofensas.” [6] Novamente: “Ele nos fez aceitos no Amado.” [7] Novamente: “Para que ele se reconciliasse ambos a Deus em um corpo pela cruz.” [8] A razão desse mistério pode ser aprendida desde o primeiro capítulo da Epístola aos Efésios, onde Paulo, tendo ensinado que somos escolhidos em Cristo, acrescenta ao mesmo tempo, que somos aceitos nele. Como Deus começou a favorecer aqueles a quem ele amara antes da criação do mundo, mas pela manifestação que ele fez de seu amor quando ele foi reconciliado pelo sangue de Cristo? Pois, como Deus é a fonte de toda justiça, ele deve necessariamente ser o inimigo e juiz de todo pecador. Portanto, o princípio de seu amor é a justiça descrita por Paulo: “Ele o fez pecar por nós, que não conhecíamos pecado; para que sejamos feitos justiça de Deus nele.” [9] Pois seu significado é que, pelo sacrifício de Cristo, obtemos justiça gratuita, de modo a sermos aceitáveis ​​a Deus, embora por natureza somos filhos da ira, e alienado dele pelo pecado. Essa distinção é indicada também onde quer que a graça de Cristo esteja conectada com o amor de Deus; daí resulta que nosso Salvador nos concede o que ele comprou; pois, caso contrário, seria inconsistente atribuir-lhe esse louvor distintamente do Pai, que a graça é dele e procede dele.

III. Agora, que Cristo, por sua obediência, realmente adquiriu e mereceu a graça do Pai para nós, é certamente e justamente concluído a partir de várias passagens das Escrituras. Pois eu assumo isso como garantido: se Cristo satisfez nossos pecados; se ele sofreu o castigo devido a nós; se ele apaziguou a Deus por sua obediência; em uma palavra, se ele sofreu, o justo pelos injustos, então a salvação foi obtida para nós por sua justiça, que é o mesmo que ser merecido. Mas, de acordo com o testemunho de Paulo, “fomos reconciliados por sua morte, por quem recebemos a expiação”, ou reconciliação. [10] Agora, não há espaço para reconciliação sem uma ofensa anterior. O sentido, portanto, é que Deus, a quem nossos pecados nos haviam odiado, foi apaziguado pela morte de seu Filho, de modo a ser propício para nós. E a antítese, que se segue logo depois, é digna de observação cuidadosa: “Como pela desobediência de um homem muitos foram feitos pecadores, assim pela obediência de um muitos serão feitos justos.” [11] Pois o significado é que, como pelo pecado de Adão, fomos alienados de Deus e dedicados à destruição; assim, pela obediência de Cristo, somos recebidos a favor, como pessoas justas. O tempo futuro do verbo também não exclui a justiça presente; como aparece no contexto. Pois ele havia dito antes: “O presente gratuito é de muitas ofensas para justificação”. [12]

IV Mas quando dizemos que a graça é adquirida para nós pelo mérito de Cristo, pretendemos que sejamos purificados por seu sangue e que sua morte foi uma expiação por pecados. “O sangue de Jesus Cristo nos purifica de todo pecado.” [13] “Este sangue é derramado para remissão de pecados.” [14] Se a não imputação de nossos pecados a nós for o efeito do sangue que ele derramou, segue-se que este foi o preço da satisfação para a justiça de Deus. Isto é confirmado pela declaração do Batista: “Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo.” [15] Pois ele opõe Cristo a todos os sacrifícios da lei, para mostrar que o que eles prefiguraram foi realizado nele sozinho. Agora sabemos o que Moisés costuma dizer – que uma expiação será feita pelo pecado, e será perdoada. Em suma, as figuras antigas nos dão uma bela exibição do poder e eficácia da morte de Cristo. E o apóstolo copiosamente discute esse assunto na Epístola aos Hebreus, criteriosamente assumindo isso como um princípio fundamental, de que “sem derramamento de sangue não há remissão”. Donde deduz, que Cristo “uma vez apareceu para afastar o pecado pela sacrifício de si mesmo; ”e que“ ele foi oferecido para levar os pecados de muitos”. [16] Ele já havia dito:“ Não pelo sangue de cabras e bezerros, mas pelo seu próprio sangue; ele entrou uma vez no lugar santo, tendo obtido a redenção eterna.” [17] Agora, quando ele argumenta dessa maneira:“ Se o sangue de touros e de bodes e as cinzas de uma novilha aspergir o imundo, santificará os purificadores. da carne, quanto mais o sangue de Cristo purgará sua consciência de obras mortas!” [18] parece evidente que subestimamos demais a graça de Cristo, a menos que atribuamos ao sacrifício dele uma eficácia expiatória, apaziguadora e satisfatória. Portanto, é imediatamente acrescentado: “Ele é o mediador do Novo Testamento, que por meio da morte, para a redenção das transgressões que estavam sob o primeiro testamento, os que são chamados podem receber a promessa de herança eterna”. [19] Mas devemos considerar particularmente a relação descrita por Paulo, de que ele “foi amaldiçoado por nós”. [20] Pois seria desnecessário e, consequentemente, absurdo, que Cristo fosse carregado de maldição, exceto para quitar as dívidas devidas por outros e, assim, obter uma justiça para eles. O testemunho de Isaías também é claro: “o castigo de nossa paz estava sobre ele; e com os seus açoites somos curados.” [21] Porque, se Cristo não tivesse satisfeito os nossos pecados, não se poderia dizer que ele apaziguava a Deus sofrendo o castigo a que estávamos expostos. Isto é confirmado por uma cláusula subsequente: “Pela transgressão do meu povo, ele foi atingido”. [22] Acrescentemos a interpretação de Pedro, que removerá toda dificuldade, de que “ele despejou nossos pecados em seu próprio corpo sobre a árvore” [23], que importa que o ônus da condenação, do qual fomos aliviados, foi posto sobre Cristo.

V. Os apóstolos declaram explicitamente que ele pagou um preço para nos redimir da sentença de morte: “Sendo justificado livremente por sua graça, através da redenção que está em Cristo Jesus; a quem Deus propôs ser uma propiciação, pela fé em seu sangue.” [24] Aqui Paulo celebra a graça de Deus, porque deu o preço de nossa redenção na morte de Cristo; e depois nos ordena a nos levarmos ao seu sangue, para que possamos obter justiça e permanecermos firmes diante do julgamento de Deus. Pedro confirma o mesmo quando diz: “Não fostes redimidos com coisas corruptíveis, como prata e ouro, mas com o precioso sangue de Cristo, como de um cordeiro sem defeito e sem mancha.” [25] Pois não haveria propriedade na comparação, a menos que esse sangue tivesse sido o preço da satisfação pelo pecado; por essa razão, Paulo diz: “Vocês são comprados com um preço”. [26] Também não haveria verdade em sua outra afirmação, de que “existe um mediador que se deu um resgate” [27], a menos que a punição devida nossos deméritos foram transferidos para ele. Portanto, o mesmo apóstolo define “redenção através do seu sangue” como “o perdão dos pecados”; [28] como se ele tivesse dito: Somos justificados ou absolvidos diante de Deus, porque esse sangue é uma satisfação completa para nós. Isso está de acordo com a passagem seguinte, que “ele apagou a escrita à mão, que era contrária a nós, pregando-a na cruz”. [29] Pois essas palavras significam o pagamento ou a compensação que nos absolve da culpa. Há um grande peso também nessas palavras de Paulo: “Se a justiça vem pela lei, então Cristo é morto em vão.” [30] Pois, portanto, concluímos que devemos buscar em Cristo o que a lei conferiria a quem quer que cumpriu; ou, que é o mesmo, que obtemos pela graça de Cristo o que Deus prometeu na lei para nossas obras; “Quais” mandamentos “se um homem viver, ele viverá neles”. [31] Isso o apóstolo confirma com igual perspicácia no sermão de Antioquia, afirmando que “por Cristo todos os que creem são justificados de todas as coisas, das quais eles não poderia ser justificado pela lei de Moisés.” [32] Porque, se a justiça consiste em uma observância da lei, quem pode negar que Cristo mereceu favor por nós, quando, ao carregar esse fardo, ele nos reconcilia com Deus, apenas como se fôssemos observadores completos da lei? A mesma ideia é transmitida no que ele posteriormente escreve aos Gálatas, que “Deus enviou seu Filho, feito sob a lei, para resgatar os que estavam sob a lei”. [33] Pois qual era o design dessa sujeição ao lei, mas para obter uma justiça para nós, comprometendo-nos a realizar aquilo que não fomos capazes de fazer? Daí a imputação da justiça sem obras, da qual Paulo trata; [34] porque a justiça que é encontrada somente em Cristo é aceita como nossa. De fato, a “carne” de Cristo também não é chamada de “alimento” [35] por qualquer outro motivo, mas porque encontramos nela a substância da vida. Agora, essa virtude procede unicamente da crucificação do Filho de Deus, como o preço de nossa justiça. Assim, Paulo diz: “Cristo se entregou por nós, uma oferta e um sacrifício a Deus por um aroma agradável.” [36] E em outro lugar: “Ele foi entregue por nossas ofensas e ressuscitou para nossa justificação”. [37] Portanto, infere-se não apenas que a salvação nos é dada por meio de Cristo, mas que o Pai agora é propício a nós por causa dele. Pois não se pode duvidar, mas isso, que Deus declara de maneira figurada por Isaías, é perfeitamente cumprido nele: “Eu o farei” por mim e por meu servo Davi.” [38] o apóstolo é testemunha suficiente, quando diz: “Seus pecados lhe foram perdoados por causa do nome dele”. [39] Porque, embora o nome de Cristo não seja expresso, ainda assim João, em sua maneira usual, o designa pelo pronome αὐτος ele. Nesse sentido, o Senhor declara: “Como eu vivo pelo Pai, assim quem me come, também viverá por mim.” [40] Com o qual corresponde a seguinte declaração de Paulo: “A você é dado por amor de Cristo (ὑπερ Χριστου) não apenas para crer nele, mas também para sofrer por ele.” [41]

VI. Mas a investigação feita por Lombardo e os escolásticos, se Cristo mereceu por si mesmo, descobre tanta curiosidade tola quanto a afirmação presume quando a afirmam. Pois que necessidade havia para o único Filho de Deus descer, a fim de fazer uma nova aquisição para si mesmo? E Deus pela publicação de seu próprio conselho remove todas as dúvidas. Pois se diz, não que o Pai tenha consultado o benefício do Filho por seus méritos, mas que ele “o entregou à morte e não o poupou”, [42] “porque ele amava o mundo”. [43] E a linguagem dos profetas é digna de observação: “Nasce um menino”. [44] Novamente: “Regozija-se grandemente, ó filha de Sião; eis que teu rei vem a ti.” [45] De outra forma, não haveria força nessa confirmação de seu amor, que Paulo celebra, que ele“ morreu por nós, enquanto nós éramos inimigos”. [46] Pois deduzimos disso, que ele não tinha consideração por si mesmo; e isso ele afirma claramente a si mesmo, quando diz: “Por eles eu me santifico”. [47] Ao transferir o benefício de sua santidade para os outros, ele declara que não faz nenhuma aquisição para si mesmo. E é altamente digno de nossa observação que, para se dedicar totalmente à nossa salvação, Cristo se esqueceu de uma maneira. Para sustentar essa noção deles, os escolares pervertem absurdamente a seguinte passagem de Paulo: “Portanto Deus também o exaltou muito, e lhe deu um nome que está acima de todo nome.” [48] Pois, considerado como homem, pelo que méritos ele poderia obter tal dignidade a ponto de ser o juiz do mundo e o chefe dos anjos, gozar do domínio supremo de Deus e ser a residência dessa majestade, cuja milésima parte nunca pode ser abordada por todas as habilidades dos homens e dos anjos? Mas a solução é fácil e completa: Paulo, nessa passagem, não está tratando a causa da exaltação de Cristo, mas apenas mostrando as conseqüências dela, para que ele possa ser um exemplo para nós; nem quis dizer outro senão o que é declarado em outro lugar, que “Cristo deveria ter sofrido e entrado em sua glória”. [49]

~


João Calvino

Institutas da Religião Cristã. Livro II. Sobre o conhecimento de Deus, o Redentor em Cristo, que foi revelado primeiramente aos pais sob a lei, e desde sempre a nós no evangelho.

Disponível em Gutenberg.

Notas:
[1] Atos 3. 15.
[2] João 3. 16.
[3] 1 João 4. 10.
[4] 1 João 2. 2.
[5] Colossenses 1. 19, 20.
[6] 2 Coríntios 5. 19.
[7] Efésios 1. 6.
[8] Efésios 2. 16.
[9] 2 Coríntios 5. 21.
[10] Romanos 5. 10, 11.
[11] Romanos 5. 19.
[12] Romanos 5. 16.
[13] 1 João 1. 7.
[14] Mateus 26. 28.
[15] João 1. 29.
[16] Hebreus 9. 22, 26, 28.
[17] Hebreus 9. 12.
[18] Hebreus 9. 13, 14.
[19] Hebreus 9. 15.
[20] Gálatas 3. 13.
[21] Isaías 53. 5.
[22] Isaías 53. 8.
[23] 1 Pedro 2. 24.
[24] Romanos 3. 24, 25.
[25] 1 Peter i. 18, 19.
[26] 1 Coríntios 6. 20.
[27] 1 Timóteo 2. 5, 6.
[28] Colossenses 1. 14.
[29] Colossenses 2. 14.
[30] Gálatas 2. 21.
[31] Levítico 18. 5.
[32] Atos 13. 39.
[33] Gálatas 4. 4, 5.
[34] Romanos 4. 5.
[35] João 6. 55.
[36] Efésios 5. 2.
[37] Romanos 4. 25.
[38] Isaías 37. 35.
[39] 1 João 2. 12.
[40] João 6. 57.
[41] Filipenses 1. 29.
[42] Romanos 8. 32.
[43] João 3. 16.
[44] Isaías 9. 6.
[45] Zacarias 9. 9.
[46] Romanos 5. 8, 10.
[47] João 17. 19.
[48] Filipenses 2. 9.
[49] Lucas 24. 26.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s